Tunga
Arquiteto, formado pela Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro. Tunga dialoga com a literatura, poesia, filosofia, psicanálise e teatro. É um dos artistas brasileiros mais conhecidos no mercado internacional, tem obras expostas na América Latina, Europa e Estados Unidos.
A editora Cosac Naify lançou esse ano a Caixa Tunga, com sete volumes em distintos formatos sobre seus trabalhos criados a partir de 1990.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Tunga citados no programa:
O que você gosta de ler, que literatura te inspira?
Gosto de ler qualquer coisa que me caia na mão. Eu acho que é na leitura, na interação de quem lê, que acontece alguma coisa, aparece um efeito secundário.

Quais livros ajudaram na sua formação como artista plástico?
Allan Poe, José Lezama Lima, Homero... São tantos! Eu acho que todos. A gente tenta atravessar toda a história e tudo aquilo que temos acesso e se enriquecer.

O que você está lendo agora?
Muitas coisas. Filosofia e Poesia de Maria Zambrano é uma. Tenho lido muito sobre Guedel, Xamanismo, o texto clássico do Eliade e muita poesia.

O que pretende ler?
Continuar lendo algumas coisas clássicas que a gente sempre volta como A Divina Comédia, Homero... E eu pretendo continuar a ler e reler os textos que eu escrevo tentando melhorar um pouco.

O que você recomenda como leitura sobre o papel da arte, do artista?
Seriedade na leitura. Qualquer leitura é positiva.

Livro de cabeceira
I Ching

Poetas indispensáveis...
Eu gosto sempre de ter um Rimbaud ao lado da cama ou um Jorge Tacla, para os dias menos eufóricos.

Um livro inesquecível
Lócus Solus

Uma descoberta recente
O texto que eu estou escrevendo e tentando descobrir. Parece que quando a gente escreve, o texto já existe e a gente fica dentando descobri-lo.

Nota de Rodapé (uma linha, um provérbio, um verso, uma pérola)
Uma pérola! Porque não o Vermeer...
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados