Roberto Muylaert
Publisher, editor, e fundador da RMC Editora de São Paulo que publica a revista Varig; é vice-presidente da ANER. Presidiu a TV Cultura por 9 anos e foi ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da presidência da República, no primeiro mandato de FHC. Começou sua carreira na Editora Abril; lançou a revista Exame. Foi Publisher da Veja, editor da revista Visão e presidente da Fundação Bienal de São Paulo, em 1985. Publicou vários livros, entre eles: Barbosa, A História do Goleiro da Copa de 50 no Brasil; China, Chá e Cheng e recentemente lançou o romance histórico: Alarm!

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Roberto Muylaert citados no programa:
O que você está lendo no momento?
No momento estou lendo 1808 do Laurentino Gomes, colega jornalista .

Sua próxima leitura
O próximo é "Enquanto o ditador dormia", do português Domingos Amaral, que tem algo a ver com Alarm!, embora seja um “romanção”!

Você costuma reler? Que obra vale a pena ler de novo?
Não tenho muito hábito de reler, embora tenha relido O Primo Basílio, de Eça de Queiroz, recentemente, para conferir com o bom filme do Daniel Filho.

Livro de cabeceira ou leitura diária
Não tenho livro de cabeceira, mas acabei adotando um, meio sem querer: "Les Bienveillantes", de Jonathan Littel um livro de guerra, em francês, que para alguns é um marco literário. Como o meu francês é fraco, acabou virando livro de cabeceira. Felizmente agora saiu em português, "Os Benevolentes", e eu voltei a ficar sem livro de cabeceira.

Literatura universal
Morte em Veneza de Thomas Mann.

Cite 5 escritores e suas obras essenciais
Euclides da Cunha- Os Sertões; Gustave Flaubert - Madame Bovary; James Joyce - Ulisses; Miguel de Cervantes - Don Quixote; Jorge Luis Borges - Obras Completas.

Livros marcantes na sua trajetória
Na minha trajetória como jornalista, livros marcantes vão desde as crônicas de Rubem Braga até João Ubaldo - Viva o Povo Brasileiro. Como publisher e administrador da editora, Peter Drucker.

Toda jornalista deveria ler
Todo jornalista deveria ler jornal todo dia. De lá saem as pautas das mídias convergentes.

Nota de rodapé
Para escrever sobre determinado tema o escritor fica monocromático. Às vezes o interesse pelo tema perdura como acontece comigo, que já lancei o livro e continuo a ler sobre II Guerra Mundial.
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados