Moacyr Godoy Moreira
Médico, escritor e mestre em literatura brasileira pela USP. Organizou antologia em áudio Contos de Agora e o livro Ponto de Fuga de Jorge Coli. Participou em: Os cem menores contos brasileiros do século XXI, Conto até dez; e Desconcertos. e os livros: Lâmina do Tempo e República das Bicicletas. Em 2008, participa da antologia: Um rio de contos, que será lançada em Portugal, com autores portugueses e brasileiros. Lançou: Ruídos Urbanos.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Moacyr Godoy Moreira citados no programa:
Para um doutorando em literatura brasileira, o que não pode faltar na estante?
As principais obras de Machado de Assis, origem e bússola para tudo o que se fez depois dele.

Próxima leitura?
Poesia completa de Cecília Meireles.

Autores que conversam com a sua obra
Graciliano ramos, Fernando Sabino, Lygia Fagundes Telles e Carlos Heitor Cony.

Um título inesquecível
O encontro marcado, de Fernando Sabino.

Livro de Cabeceira
Atualmente, uma edição dos contos completos da Katherine Mansfield.

Romance do Coração
Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres, de Clarice Lispector.

Contistas indispensáveis
Jorge Luis Borges, Ernest Hemingway, Virginia Woolf e Rubem Fonseca.

Nova geração
Adriana Lisboa, Marçal Aquino, João Carrascoza e Cíntia Moscovich (mas há muitos outros muito bons).

Um clássico brasileiro
Drummond (em especial, o último livro do autor, Farewell)

Obra festejada que decepcionou...
Os livros do Italo Calvino (gosto só das Fábulas Italianas).

Livro que seus amigos escritores estão lendo
The gathering, de Anne Enright (vencedor do Booker Prize em 2007) – ainda sem tradução no Brasil.

Biblioteca básica
Aquela que contempla obras capazes de produzir uma transformação substancial, que contenha livros aos quais se pode voltar sempre, invariavelmente com novas surpresas.

Nota de Rodapé
"Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é. A coisa mais fina do mundo é o sentimento". Adélia Prado
 
Mais sobre Moacyr Godoy Moreira na internet:
www.atelie.com.br


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados