Milly Lacombe
Jornalista, escritora e comentarista esportiva. Foi diretora de redação da revista TPM e hoje escreve na Marie Claire. Além de publicar Segredos de uma lésbica para homens, ela é co-autora do livro de crônicas Blônicas e de Para ser jogador de Futebol que fez com Soninha Francine. Já com Costanza Pascolato escreveu o livro, Como ser uma modelo de sucesso. Milly adora futebol, trabalhou no Sport TV e agora foi contratada pela Rede Record como uma das comentaristas da Champions League da UEFA e da Eurocopa 2008.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Milly Lacombe citados no programa:
Livro que você está lendo
The God dellusion, de Richard Dawkins, a bíblia de todo ateu.

Livro que você pretende ler
Ulisses, de James Joyce.

Livro que está orgulhosa de ter lido
Em busca do tempo perdido, Proust.

Obra ou autor que mudou a sua forma de enxergar o mundo
Machado de Assis e Eça de Queiros, especificamente a biografia imaginária; A correspondência de Fradique Mendes.

Literatura indispensável
Ulisses, de James Joyce e Em busca do tempo perdido, de Proust, como desafios. Mas todo mundo que fala português deveria mergulhar em Eça de Queiros e Machado de Assis.

Escritores da nova safra
Nick Hornby, Dave Eggers e Joel Stein, um cronista americano muito jovem, 38 anos, não há como passar indiferente a ele.

Descoberta recente
Marx

Livros que estão na sua mesinha cabeceira
Esquire’s big book of great writing, more than 70 years of celebrated journalism, de Miller Adrienne (eu gosto muito do meio revista e da maneira como ingleses e americanos escrevem em revista); História viva – memórias, de Hillary Clinton; Lenin, Stalin and Hitler, de Robert Gellately; Einstein – sua vida, seu universo, de Walter Isaacson; The God dellusion, de Richard Dawkins; Santo Agostinho e Marx.

Nota de rodapé: “A maior inimiga da verdade não é a mentira, mas a convicção”, de Nietzsche.
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados