Luiza Nagib Eluf
Procuradora de Justiça do Ministério Público de São Paulo, é formada em Direito, pela USP, atualmente exerce o cargo de Subprefeita da Lapa.
Luiza já colaborou com os jornais “O Estado de São Paulo”, “Folha de São Paulo” e “Jornal da Tarde”, com artigos de opinião.
Em 1999 foi homenageada pela Academia Brasileira de Letras, como “Mulher do Ano”, na área jurídica, pelo Conselho Nacional de Mulheres, com sede no Rio de Janeiro.
É autora de vários livros dentre os quais A paixão no banco dos réus sobre crimes passionais, o romance Retrato, e o mais recente Matar ou morrer – o caso Euclides da Cunha.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Luiza Nagib Eluf citados no programa:
Você deve ler muito no seu trabalho, por dever de ofício. Assim mesmo consegue ler por prazer? O que você gosta de ler?
Gosto muito de ler. Tenho preferência por romances. Leio sempre, todos os dias.

O que você está lendo no momento?
Estou lendo o novo livro de Carlos Ruiz Zafójn, O jogo do anjo.

Próxima leitura
Tenho vários livros já comprados, em espera para leitura, mas devo optar por Triângulo das águas, de Caio Fernando Abreu. Também estou com vontade de reler o Livro do desassossego, de Fernando Pessoa, acho que vou intercalar os dois.

Livros que marcaram sua trajetória
Todos os livros de Machado de Assis. Também adoro Gabriel Garcia Marques e o livro dele que mais gosto é O amor nos tempos do cólera. Gosto de Isabel Allende e seu jeito femino de escrever. Os portugueses (e espanhóis como Zafón) também falam direto ao meu coração, como José Saramago, Fernando Pessoa e Luiz Vaz de Camões.

Leitura obrigatória para qualquer advogado
Os advogados têm obrigação de ler as leis, os Códigos, a doutrina jurídica. No mais, eles e elas têm que ler muito para ter cultura e aprender a escrever, que é seu ofício. Advogado(a) que não lê não escreve bem e fica prejudicado(a)...

Obras sobre a condição feminina
Simone de Beuvoir e Camile Paglia.

A bíblia de um procurador da justiça A Constituição Federal, como a de todos os operadores do direito.

Um clássico
Memórias póstumas de Braz Cubas.

Para que texto você se volta na hora do apuro?
Em geral, para pacificar minhas aflições, busco autores como Brian Weiss, Khalil Gibran, Deepak Chopra.

Um romance do coração
O amor nos tempos do cólera, de Gabriel Garcia Marques

Nota de Rodapé
"Há barcos para todos os destinos, mas não há um para a vida não doer". (Fernando Pessoa)
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados