Lenise Pinheiro
Fotógrafa especializada em teatro e iluminação. Ela trabalhou com José Celso Martinez Corrêa, Pina Bausch, Daniela Thomas, Fauzi Arap, Aderbal Freire Filho, Marcelo Drummond, e Gerald Thomas. Participou de mais de 32 mostras, 7 coletivas e 25 individuais. Lenise faz "still" de cinema, capas de discos, gravações de novelas, programas e comerciais de televisão. Lançou: Fotografia de Palco pelas Edições Sesc SP e Editora Senac SP.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Lenise Pinheiro citados no programa:
O que você está lendo no momento?

Alguns Leões Falam de Anderson Aníbal

Próxima leitura

Macunaíma, o herói sem nenhum caráter de Mario de Andrade

Livros de cabeceira

Viver de Teatro de José Rubens Siqueira, A Mochila do Mascate de Gianni Ratto, Cacilda Becker - Fúria Santa de Luís André do Prado, Use é lindo eu garanto de Leonilson e O Anjo Pornográfico, de Ruy Castro

Uma coleção que você recomenda

Teatro Completo de Nelson Rodrigues Editora Nova Fronteira.

Dramaturgos prediletos

Dario Fo, Plínio Marcos, Tennessee Williians, Marcelino Freire, Daniela Pereira da Rocha e Sérgio Roveri

Obra da infância

As Fábulas de La Fontaine e acreditem... Apontamentos de Anatomia Humana da Editora Ática que desde os 6 anos leio e releio, experiência que pode ser comparada à visitação da mostra Corpo Humano na OCA-SP, já na fase adulta.

Dois livros marcantes

Um copo de cólera de Raduam Nassar e Post Cards, Contos de Marilene Felinto
Um bom título para os amantes da fotografia
A Câmara Clara , de Roland Barthes. Leitura provocativa pois parte do pressuposto que fotografia é magia e não arte.

Romance do coração

Quase Memória do Cony

Autor ou livro festejado que te decepcionou

Pergunte ao pó do John Fante

Cesta básica

Zé Susto e A Bíblia dos Sonhos de Sylvia Plath, Humano Demasiadamente Humano de Friedrich Nietzsche e Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna

Vale a pena ler de novo

Maysa - Só numa multidão de amores, de Lira Neto Editora Globo

Nota de rodapé

A foto familiar, social, é apenas um momento congelado que, com o tempo, se torna na maioria das vezes, mais sentimental e dolorosa, enquanto a de teatro, pela provocação é divertida, imaginativa, desdobrável, de muitos e muitos momentos” Antunes Filho
 
Mais sobre Lenise Pinheiro na internet:
cacilda.folha.blog.uol.com.br


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados