José Castello
Mestre em Comunicação pela UFRJ, é colunista do “Prosa&Verso” de O GLOBO, colaborador do VALOR ECONÔMICO, das revistas BRAVO! ÉPOCA, e do RASCUNHO, portal literário. Ele foi cronista e repórter literário de O Estado de S. Paulo, editor de “Idéias” do Jornal do Brasil, da sucursal carioca de Istoé e repórter de Veja. É autor do romance Fantasma,(Finalista do Jabuti 2003) e livros sobre escritores como João Cabral de Melo Neto - O homem sem alma e a biografia do poeta Vinicius de Moraes O Poeta da Paixão, (Jabuti em 1994).
José Castello é Jurado do Prêmio Portugal Telecom de Literatura.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para José Castello citados no programa:
Não sabemos ainda que é o vencedor do Prêmio Portugal Telecom, mas porque ler Bernardo Carvalho? Ou Beatriz Bracher, Cristovão Tezza?
Para ler grandes escritores brasileiros. Cada um deles nos oferece não só uma visão muito particular da literatura, mas uma visão singular do mundo. E a riqueza não está na repetição, mas na diferença.

O que se pode dizer da obra do angolano Ondjaki, Os da minha rua, que chega a etapa final?
É um livro que mostra a força da literatura africana em língua portuguesa. Temos sempre grande desprezo pela África. Logo imaginamos um continente tomado pela miséria, pelas guerras, pela tristeza. A literatura, porém, desmente esse clichê. Um autor como Ondjaki mostra que, mesmo nas condições mais adversas, a literatura tem o que dizer.

E do romance de Antonio Lobo Antunes?
É mais um grande romance de um grande escritor, um dos maiores da língua portuguesa. Um escritor que não precisa mais convencer a ninguém de nada. Dono de uma obra forte e inconfundível.

E dos concorrentes na poesia?
Indicam alguns dos caminhos de renovação que se abrem, hoje, para a poesia brasileira. Creio, pessoalmente, que a poesia brasileira não atravessa um bom momento. Mas uma literatura não vive de regras, vive de grandes exceções, e algumas dessas exceções estão aí, entre os finalistas.

Aproveitando seu livro Inventário das Sombras, que é uma reunião de retratos breves de grandes escritores, uma frase para cada um deles!
José Saramago: "Um falso pessimista, apaixonado pela vida”.

Clarice Lispector: “Uma escritora que expandiu os limites da literatura”

Alain Robbe-Grillet: “Um homem eternamente insatisfeito, e que fez da insatisfação a sua arma”.

Adolfo Bioy Casares: “Um escritor fabuloso que a sombra magnífica de Jorge Luis Borges, seu grande parceiro, ajudou a esconder”.

Manoel de Barros: “Um poeta para quem a poesia se passa, antes de tudo, fora dos livros”.

Poetas essenciais
João Cabral de Melo Neto, Fernando Pessoa e Vinicius de Moraes.

Livros e autores que marcaram sua vida:
As aventuras de Robinson Crusoe, de Daniel Defoe. O livro do desassossego, de Fernando Pessoa. A metamorfose, de Franz Kafka. A paixão segundo G.H., de Clarice Lispector. A poesia de João Cabral de Melo Neto.

O que você lê no momento
No momento, leio sem parar a obra de Franz Kafka, que é personagem do livro que estou escrevendo.

O que pretende ler
Dois grandes livros de que só li aos pedaços, ou em edições resumidas: o Quixote, de Cervantes, e As mil e uma noites.
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados