João Marcello Bôscoli
Músico, produtor, apresentador e dono da gravadora Trama. Literalmente, seu talento e sensibilidade artística vêm de berço. Filho de Elis e Ronaldo Bôscoli, João aprendia a falar e andar em meio ao universo musical de sua família.
Participou de vários grupos e festivais no colégio, não só como baterista, mas também compondo e fazendo arranjos. Já trabalhou com Milton Nascimento, Paulinho da Viola, Lenine, Nelson Sargento, Ivan Lins, César Camargo Mariano, Jorge Benjor, Arnaldo Antunes, Zélia Duncan, enfim a nata dos músicos brasileiros.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para João Marcello Bôscoli citados no programa:
Livro de cabeceira
O Homem Moderno à Procura de uma Alma - Jung

Uma biografia de algum músico que você adorou
To Be Loved: The Music, the Magic, the Memories of Motown – Berry Gordy.

Livro que te marcou
Têm alguns, mas eu preferi o Nascimento da Tragédia do Nietzsche. Este livro fala muito do espírito da música, me marcou profundamente.

Uma obra que é essencial para todo músico
Harmonia do Schönberg, escrito no começo do século XX, indispensável.

Livro que você ainda quer ler
Ulisses, não o Homérico, mas o do James Joyce.

Vale a pena ler de novo
I Ching. É um livro que não foi feito por ninguém, mas vale sempre dar uma olhada, cada vez vejo de um jeito diferente.

E os Audiobooks, você que está sempre lidando com novos produtos para a Trama, você conhece alguns?
Já ouvi alguns, isso há muito tempo, quando estava nos Estados Unidos. É legal ter um outro nome, mas não é a mesma experiência de um livro. Não substitui o velho e bom livro.

Um livro para uma namorada
Têm vários. O Jogo da Amarelinha - Júlio Cortázar

Poetas prediletos
Vinicius de Moraes, pela força da obra.
Fernando Pessoa, talvez seja um clichê, mas não gostar de Fernando Pessoa chega a ser de mau gosto; desvio de conduta.

Uma nota de rodapé (um verso, uma prosa, uma linha, uma frase)
Uma que eu gosto muito é a do Nietzsche:
“Eu jamais iria para a fogueira por uma opinião minha, afinal, não tenho certeza alguma. Porém, eu iria pelo direito de ter e mudar de opinião, quantas vezes eu quisesse.”
 
Mais sobre João Marcello Bôscoli na internet:
trama.uol.com.br


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados