Carolina Chagas
Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, já trabalhou no O Estado de S.Paulo, Folha, Jornal da Tarde, editora Abril e Portal iG. Colabora de revistas como Veja, Vogue, Pais e Filhos, entre outras. É autora de uma série de sete livros (Publifolha) sobre santos. O primeiro, O Livro das Graças, traz um rápido perfil dos 55 santos mais populares no país e a receita de como fazer pedido para eles. Já oram publicafdos, Nossa Senhora!, Frei Galvão, Santo Antônio, Nossa Senhora Aparecida, Santo Expedito. Junto com o chef Alex Atala, escreveu o livro Escoffianas Brasileiras (ed. Larousse).

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Carolina Chagas citados no programa:
O que você está lendo no momento?
Lulu Vê Deus e Duvida, da Danielle Ganek. Um romance sobre os bastidores do mundo das artes.

O que pretende ler?
O Santo Sujo do Humberto Werneck, sobre Jayme Ovalle, figura chave na Minas Gerais de Otto Lara Resende, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos.

Livros importantes da adolescência

Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, Capitães da Areia, de Jorge Amado, O Apanhador no Campo de Centeio, J. D. Salinger, Vidas Secas de Graciliano Ramos, Os Irmãos Karamazov de Fiodor Dostoievsky, O Retrato de uma Senhora, de Henry James, Trilogia de Nova York, de Paul Auster

Literatura estrangeira da sua preferência
Adoro policiais: Rex Stout, Andrea Camilleri (um italiano que escreve sobre crimes cometidos em Vigata uma cidade inventada da região da Sicília), Michael Connelly (e as aventuras do detetive Bosch). Dos que ainda não citei, vale lembrar Eça de Queiroz, Amos Oz, Martin Amis, William Falkner, Nick Hornby e Ian McEwan.

Uma descoberta recente
Roberto Bolaño, escritor chileno que viveu no México e na Europa e morreu em 2003 em Barcelona.

Obra ou autor que mudou seu jeito de ver as coisas
Detetives Selvagens do Roberto Bolaño. O mais marcante desse livro foi a forma do autor escrever. O enredo aqui, é o que menos importa.

Todo jornalista deveria ler...
Caso Perdido, do Carl Hiaasen. Para dar muita risada sobre os bastidores e as dificuldades atuais das redações. (Ele é colunista do Miami Herald e autor de vários livros de sucesso nos EUA).

Não pode faltar na sua estante
Qualquer um do Machado de Assis, Eça de Queiroz, Henry James, Cecília Meirelles e Oswald de Andrade. A série Harry Potter, de J. K. Rowling e Bergdorf Blondies da Plum Sykes, porque a vida sem essas coisas é muito sem graça.

Escritores fundamentais para as crianças
Difícil essa. Monteiro Lobato, Ziraldo, Ruth Rocha. Ando fã da Adriana Falcão. Acho o livro Mania de Explicação muito lindinho.

E pra quem quer escrever bem?
Machado de Assis, J. D. Salinger e Roberto Bolaño.

O que seu melhor amigo(a) está lendo
Mutações da Liv Ullmann, que recentemente recebeu uma linda reedição da Cosac Naify.

Cesta básica
Vou indicar livros leves para ler na praia, ok?
Comer, Rezar, Amar, da Elizabeth Gilbert
Um mês com Moltalbano, do Andrea Camilleri
A Pista do Gelo, um levinho do Roberto Bolaño, A corrida do Membro, do Ubiratan Muarrek (pura diversão)
Sexo no Capitólio, de Jéssica Cutler (tido como O Diabo Veste Prada do congresso norte-americano)

Nota de Rodapé
Pequeno parágrafo de um livro muito divertido chamado Uma Coisa de Nada, do Mark Haddon, que acabei de ler:
“Persianas de madeira, portas de vidro deslizantes, cadeiras de jantar Bauhaus, um vaso solitário de lírios brancos na mesa. Deus Amado. Algumas vezes ele tinha vontade de ver um par de cuecas numa fotografia de revista”
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados