Carola Saavedra
Escritora e tradutora. Nascida em Santiago do Chile em 1973, veio com a família para o Brasil aos três anos de idade. Carola morou na Espanha, França e Alemanha, onde concluiu um mestrado em Comunicação. Vive no Rio de Janeiro. Publicou o livro de contos Do lado de fora (7 Letras, 2005), e os romances Toda terça (2007) e Flores azuis (2008), ambos pela Companhia das Letras.

Ouça a entrevista em podcast:*
(ou clique aqui para baixar o arquivo em mp3)
(aprox. 6-8 MB)
 
Confira a primeira parte da entrevista.
 
* Para ouvir é necessário ter instalado o iTunes ou versão atualizada do Windows Media Player (ou outro programa que execute mp3).
 
Veja no JOGO RÁPIDO os livros marcantes para Carola Saavedra citados no programa:
O que você está lendo no momento?
Acenos e afagos, de João Gilberto Noll.

O que pretende ler?
O livro das impossibilidades, novo livro de Luiz Ruffato

Autores estrangeiros que você gosta
Thomas Bernhard, W.G. Sebald, Robert Walser, Roberto Bolaño, Juan José Saer, César Aira, Ricardo Piglia, Vila-Matas.

Obras que são referência para você
Os detetives selvagens, de Bolaño; O náufrago, de Thomas Bernhard, Glosa de Juan José Saer; e agora, mais recentemente, Austerlitz, de W.G. Sebald

Obras que marcaram
Os contos de Clarice Lispector, quase toda a obra de Sérgio Sant\'Anna

Colegas escritores da nova safra que você aprecia
Gosto muito do André de Leones, que está lançando o livro de contos Paz na terra entre os monstros.

Quem são os escritores chilenos que devemos ler?
Roberto Bolaño , Pedro Lemebel. Da nova geração, Alejandro Zambra.

Livro ao qual você recorre na hora do apuro
Na hora do apuro, num sentido existencial, não recorro a nenhum. Já quando se trata de uma crise criativa, César Aira é sempre muito inspirador.

Nota de Rodapé
"(...) he visto belleza en todas partes, incluso en los sitios en donde era evidente que no estaba, pero incluso allí, en la ausencia de belleza, había algo, un hueco o un vacío infinitamente triste que testimoniaba una presencia perdida, y que con su testimonio, (...) volvía a hacer visible el fantasma de la belleza." (Roberto Bolaño).
 


 
       
©2007-2008 Mona Dorf / Rádio Eldorado
Todos os direitos reservados